sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Ai que saudade da comida da vovó!

Comida de vó e de mãe ninguém faz igual. Sempre há aquele prato que só a mãe da gente faz ou que só experimentamos na casa da vovó. Pode ser a receita mais simples, mas o tempero é incomparável. A minha filha, por exemplo, conta que uma das boas lembranças que guarda da infância é a de retornar da escola quase na hora do almoço e sentir de longe o cheirinho inconfundível de bife ao molho. Pensava logo: “Hoje tem o bife gostoso da mamãe”. Corria pra casa pronta pra devorar tudo. Já a minha mãe, faz uma macarronada que, tenho certeza, nunca alguém conseguiu imitar o sabor, nem mesmo eu, que a vi preparar tantas vezes. Mas a recordação que trago da infância dos tempos que morei na casa da vovó Esmeralda é a do cozido feito praticamente com água e sal. Era assim quando faltavam ingredientes. Ela só ia até o quintal, cortava um pouquinho de cheiro-verde na horta e pronto. Minha vozinha fazia maravilhas com um pedaço de carne. E dividia em tantos pedacinhos pra conseguir colocar em todos os pratos, que dava até pra chamar essa maravilha da culinária de milagre da vovó Esmeralda. Que delícia de cozido! O cheiro bom era percebido longe. É sempre assim, comida preparada com amor espalha um aroma saboroso que a gente reconhece a quilômetros de distância. E sabe dizer exatamente quem fez. Eu exclamava logo: “É o cozido da vovó!” E era. Já faz tanto tempo que não provo aquele cozido. Anos e anos se passaram, mas, se sentir o cheirinho agora, sou capaz de afirmar na mesma hora: é da vovó Esmeralda! O cozido que ninguém faz igual. E não adianta que nunca vai existir no mundo alguém que faça.

Lene.

Está foto recebi hoje de presente da minha prima Márcia Rovana. Chorei ao abrir meu e-mail. Foi grande a emoção ao dar de cara com minha infância. Obrigada, prima!

3 comentários:

Leonardo Lima disse...

primaaaa, eh verdade...
akela bife de panela que a vovó fazia pra todo mundo era inenarrável!!!
dá água na boca de lembrar!!!

junior disse...

Oi prima, só marcando presença, tá bom? Agora eu tenho muita coisa pra estudar, amanhã eu ponho um post no blog.
Bj

flora disse...

Fora o cozido e bife de panela, lembro de uma carne assada que NUUUNCA consegui fazer igual, mesmo ela me falando pelo telefone de Macapá. Depois, vem-me a lembrança do vatapá, do tacacá, do beijo-de-moça(Hum humhummmm!), da cocada mole. Só ela mesma.
Beijos saborosos, doces e suculentos da Helena.

Postar um comentário

Baú de Lembranças

Fotos enviadas por Marcia Rovana, Janira e Junior Siqueira.